A “Boca de Ouro” da Igreja

Hoje a Igreja comemora um dos luminares da hagiografia, isto é, da história dos Santos: São João Crisóstomo. Se se pode dizer que sua vida foi comparável a um luminar, com mais ênfase se pode afirmar que suas palavras tinham o valor e o coruscar do mais fino ouro, tanto mais que lhe coube ao nome o acréscimo de “boca de ouro”, ou seja, crisóstomo…

São João Crisóstomo nasceu em Antioquia por volta de 349. Sua mãe, Santa Antusa, lhe deu uma educação eximiamente cristã, fazendo de sua própria casa um verdadeiro mosteiro religioso até a sua juventude. Quando faleceu sua mãe, o nosso santo contemplado hoje pela Igreja foi viver no deserto por seis anos. Todo o povo vendo a santidade desse homem providencial, decide chamá-lo para a cidade recebendo seu consentimento. Estando lá, é ordenado diácono e depois se prepara em cinco anos para o sacerdócio e para a pregação. Tornou-se um zeloso colaborador no governo da diocese de Antioquia através do seu pastoreio e pregação demonstrando uma grande cultura e, mais que tudo, uma evidente santidade.

São João de Antioquia – o sobre nome Crisóstomo (boca de ouro), foi-lhe conferido três séculos depois pelos bizantinos – tornou-se mais tarde patriarca de Constantinopla. Na capital do Oriente, ele promoveu procissões contra os arianos  – os quais incorreram na heresia de dizer que Nosso Senhor Jesus Cristo não era Deus e sim um grande homem dotado de poderes extraordinários -, também construiu hospitais, além de fazer uma eficaz evangelização na zona rural.

Através de seus sermões de fogo, que duravam horas, ele afervorava os tíbios, colocava medo nos hereges e confirmava na fé os que eram fervorosos. Porém, como algumas vezes acontece quando se é corrigido, isto é, não se aceitar a repreensão e, pelo contrário, pagar a repreensão com ódio. Foi o que aconteceu com São João Crisóstomo. Foi deposto e exilado ilegalmente por um conjunto de bispos de Constantinopla chefiados por Teófilo.

Após pouco tempo de exílio, São João foi reconduzido novamente a Constantinopla pelo imperador Arcádio, o qual fora atingido por várias desgraças que chegaram ao seu palácio. Mas como a vida de um santo é pervadida de fatos que a primeira vista não tem uma explicação humana, após dois meses o santo “boca de ouro” foi exilado novamente, primeiramente para a fronteira com a Armênia, depois para as margens do Mar Negro.

Faleceu neste exílio a 14 de setembro de 407, teve seu corpo transladado pelo filho de Arcádio, Teodósio, para Constantinopla e sendo recebido com todo fervor que ele merecia. O acervo com suas obras constitui verdadeiro tesouro para a Igreja Católica, e seus ensinamentos se perpetuaram pelos séculos. Se o leitor quer um exemplo da beleza de sua pregação e do zelo de suas palavras, veja o exemplo de um de seus sermões:

A Santa Cruz

*Junto da Cruz de Jesus estava Sua Mãe+. Viste essa vitória admirável? Viste os magníficos prodígios da Cruz? Posso dizer-te alguma coisa ainda mais admirável? Ouve o modo como se deu a vitória, e hás-de maravilhar-te ainda mais. Cristo venceu o diabo valendo-Se dos meios com que o diabo tinha vencido, e derrotou-o tomando as próprias armas que ele tinha usado. Ouve como o fez:

A virgem, o madeiro e a morte, foram os sinais da nossa derrota. A virgem era Eva, pois ainda não conhecera varão; o madeiro era a árvore; a morte, o castigo de Adão. E eis que também a virgem, o madeiro e a morte, que foram os sinais da nossa derrota, se tornaram os sinais da nossa vitória. Com efeito, em vez de Eva está Maria; em vez da árvore do bem e do mal, está o madeiro da Cruz; em vez da morte de Adão, está a morte de Cristo.

Vês como o demônio foi vencido pelos mesmos meios por que vencera? Na árvore, o diabo fez cair Adão; na árvore, Cristo derrotou o diabo. A primeira levava à região dos mortos; mas a segunda faz voltar até os que já para ali haviam descido. Do mesmo modo, a primeira árvore ocultou o homem já vencido e nu; esta, porém, mostrou a todos o vencedor, também nu, levantado ao alto.

Todos estes magníficos efeitos nos conseguiu a Cruz: a Cruz é troféu levantado contra os demônios, e uma espada contra o pecado, espada com a qual Cristo trespassou a serpente; a Cruz é a vontade do Pai, a glória do Seu Filho Unigênito, a alegria do Espírito Santo, a honra dos Anjos, a segurança da Igreja, o regozijo de São Paulo, a fortaleza dos Santos, a luz de toda a terra.

Fonte: São João Crisóstomo (cerca 345 – 407), Bispo de Antioquia, depois de Constantinopla, Doutor da Igreja, Sermão para Sexta feira Santa sobre a Cruz, 2 ; PG 49, 396 (trad. breviário)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *