Santo do Dia: Santa Beatriz da Silva e Menezes

Se com grande alegria comemoramos os aniversários daqueles que nos são mais próximos nesta terra, quanto mais não deve ser nossa alegria em festejar o nascimento, não para esta vida mas para a eternidade, daqueles que podem agora contemplar a Deus na Bem-Aventurança Eterna. Neste dia, 1 de setembro, podemos especialmente pedir a intercessão de Santa Beatriz da Silva e Menezes para, também nós, podermos chegar à pátria celeste.

Nasceu no ano de 1426 em Creta, cidade do Norte da África, do casal Dom Rui Gomes da Silva, governador desta mesma cidade e alcaide-mor (quer dizer, Presidente da Câmara) de Campo maior e D. Isabel de Meneses, próxima parente do Arcebispo de Évora, Dom Garcia de Meneses.

Quando ainda menina, costumava dizer: “ A caridade apoderou-se de tal maneira do meu coração, que me faz sempre esquecer de mim mesma. E é como me sinto feliz.”

Com esse espírito, ela procurava favorecer ao máximo todos os pobres que vinham à porta do castelo, unindo às esmolas que lhes oferecia aquilo que era muitas vezes o que mais precisavam, uma palavra animadora e um bom conselho.

Aos vinte e um anos de idade, foi chamada a servir de aia à infanta D. Isabel, que em 1447, casou-se com o rei Dom João II.

Beatriz era tão senhorial, sensata e de grande formosura física e espiritual, que o rei e fidalgos cercavam-na de atenções. A rainha D. Isabel, despeitada e a referver de ciúmes, persegue-a e maltrata-a. Isso a tal ponto que um dia à noite, vai aos aposentos de Beatriz e manda que a seguisse. Dirige-se então a um cômodo escondido do palácio, onde havia um cofre. Diz a Beatriz que ali entrasse, e ficasse presa pelos “desvarios que estava praticando”.  Tinha a rainha o perverso intuito de matar a jovem santa.

Esta, porém, trancada no escuro cofre, pede a Nossa Senhora que não lhe permitisse morrer sem a Sagrada Comunhão, e desde aquele momento consagrava a sua pureza a Nosso Senhor Jesus Cristo, fazendo o voto de castidade.

A escuridão é rompida pela luz emitida pela Virgem com o Menino Deus nos braços, que prometeu-lhe que sairia daquela prisão pois Deus tinha-a destinado a grandes coisas. Fundaria ela um instituto religioso com o título de <<Ordem da Imaculada Conceição>>.

Dias depois ao abrir o armário, a Rainha, que esperava encontrar um cadáver, deu com Beatriz cheia de vida e ainda mais formosa. Torturada pelo remorso e também pelo medo, ouviu estas palavras:

-Senhora, não temais. Servi-vos durante anos e estava disposta a continuar a servir-vos. Mas Deus chama-me e não posso deixar de seguir hoje mesmo, se possível for, para o Convento de São Domingos el Real de Toledo.”

– Pois bem Beatriz, se o Senhor te chama, vai sem demora e podes contar com o meu auxílio.

Depois de trinta anos passados na oração e penitência no Convento de S. Domingos, dali saiu em 1484, com mais doze religiosas, para dar começo à nova Ordem de Nossa Senhora da Conceição, que foi aprovada pelo Papa Inocêncio VIII, um ano antes da morte da fundadora.

O corpo de Santa Beatriz jaz em Toledo, onde a Fundadora faleceu a 9 de Agosto de 1490, com 66 anos de idade.

(Fonte: Santos de cada dia. Vol. III. José Leite, SJ.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *