“Meu jugo é suave e meu peso é leve”: Missão Mariana em São Roque

“A treze de maio, na Cova da Iria, dos Céus aparece a Virgem Maria!…” É este um dos cânticos que tem ecoado pelas ruas da cidade de São Roque, na Missão Mariana que está sendo feita pelos arautos do Centro Juvenil de formação dos Arautos em São Paulo. A missão vem sendo desenvolvida ao longo de toda esta semana e inúmeras pessoas tem sido objeto de especiais graças dispensadas por aquela que é a Medianeira de todas as graças, Nossa Senhora.

O leitor bem poderia imaginar qual a surpresa de alguém que, em meio aos afazeres cotidianos ou, quiçá, em meio aos problemas e dificuldades que preocupam a tantas pessoas em nossos dias, primeiramente ouve o timbre de uma música incomum ao longe e, quando menos espera, ao sair à porta de sua casa é interrogada por um jovem interlocutor que lhe pergunta se deseja receber uma rápida visita da imagem da Santíssima Virgem… Bem se pode imaginar a surpresa, ou até emoção, presente numa circunstância assim.

Enquanto a Imagem Peregrina percorre as casas que a ela se abrem, um conjunto de arautos circula pelas ruas de São Roque tocando músicas, as quais, ao serem ouvidas pela população, já fizeram despertar em muitos a lembrança de épocas felizes em que se dedicavam ao serviço de Deus e da Igreja.

Claro está que não é o puro esforço humano que há de fazer frutificar uma missão destinada a mover as almas, ação que só a graça poderá realizar de modo eficaz e duradouro. Cientes disso os arautos envolvidos nesta atividade tem procurado, nos intervalos da missão, na oração e oferecimento das obras o meio eficiente para lograr bons frutos.

Não obstante, seguindo um sapientíssimo conselho dado por Santo Inácio de Loyola, os arautos em missão não se esquecem que é necessário empregar todos os esforços para o apostolado como se tudo dependesse de quem age, sem entretanto esquecer que tudo, na verdade, depende da graça divina.

Os longos caminhos e a consequente fadiga após algumas horas não impedem, todavia, que a alegria preencha todos os corações, tanto daqueles que fazem a missão, quanto daqueles que generosamente têm contribuído para a “sustentação” daqueles que têm “sustentado” a imagem da Virgem. Como, por  exemplo, se viu nas refeições…

Ao fim do dia o sol se põe. As ruas de São Roque já não ouvirão os trompetes ou os cânticos anunciando a chegada da Imagem Peregrina. Os arautos em missão se retiram e vão descansar de um dia cheio. Cheio? Sim, cheio de contentamento em saber que neste dia que termina mais alguns corações se abriram para a Mãe de Deus e poderão, desta maneira, mais facilmente serem preenchidos por abundantes graças!

Clique aqui para ver mais fotografias