Dia dos pais abençoado pelos Céus…

O Centro Juvenil dos Arautos do Evangelho em São Paulo teve a alegre oportunidade de no último domingo, data memorável do Dia dos Pais, contar com a presença de inúmeros jovens de corpo e de alma… Participaram das atividades deste dia não só aqueles que gozam do frescor da juventude mas também aqueles que, embora já não tenham seus dez ou doze anos, possuem o ânimo tão próprio às primeiras épocas da vida. Pais e filhos puderam compartilhar das mesmas alegrias naquele então. Tais foram as bençãos e graças derramadas neste dia que até mesmo o Céu quis manifestar seu contentamento através de um magnífico sinal…

As atividades começaram com uma apresentação musical, na qual os filhos puderam mostrar através da música toda a sua gratidão pelos incansáveis auxílios que desde o início de suas vidas receberam de seus laboriosos pais.

Após esta abertura os pais puderam fazer algo mais pelos próprios filhos: ajudarem na vitória dos jogos! Um verdadeiro circuito de obstáculos serviu de descontração para todos quanto puderam participar das atividades esportivas daquele então. Os pais completaram a pouca experiência dos filhos, e os filhos puderam auxiliar na pouca desenvoltura dos pais! É a recapitulação do velho ditado francês: “Ai se a juventude soubesse! Ai se a velhice pudesse!”

O ponto auge do dia, sem dúvida, culminou com a celebração da Santa Missa, a qual foi celebrada, como de costume aos domingos, às 17:00hs. Neste momento mesmo os pais puderam fazer sua homenagem e agradecimento àquele que é o Pai de todos, Deus Nosso Senhor.

Terminamos por aqui? Não, certamente… Após a Santa Missa uma pitoresca história foi encenada aos pais, da qual puderam se tirar importantes princípios. Tratou-se do seguinte: um pequeno jovem nipônico ansiava por ser considerado um homem. Todavia, mal sabia ele da grande prova a que deveria submeter-se para alcançar tão almejada dignidade. Deveria ele passar uma noite completa num bosque com os olhos vendados, correndo todos os riscos inerentes a esta prova. Isto pode não parecer grande coisa à primeira vista, porém bastaria nos lembrarmos de nossa infância, na qual um simples trovão nos aterrorizava durante longas horas, nas quais não ousávamos sair da sombra de nossos pais, para compreendermos a dureza que poderia significar um exame assim…

Mal sabia o pequeno jovem que esta prova era mais psicológica do que propriamente prática, isto é, seu pai, na verdade, passaria toda a noite a seu lado protegendo-lhe de qualquer perigo que pudesse sobrevir-lhe. Tendo enfrentado com coragem a dita prova, ao raiar do dia qual não foi o espanto do jovem ao ver que seu pai havia permanecido todo o tempo ao seu lado.

É apenas um conto, mas que elucida uma verdade muito maior que acompanha a cada um de nós. Se é bem verdade que nos alegramos pela contínua presença de nossos parentes próximos a nós, mas que depois de algum tempo inevitavelmente nos deixarão nesta terra, muito maior deve ser nossa alegria e confiança ao considerarmos que ao nosso lado e, muito mais, dentro de nós está alguém que de modo algum nos deixará, nem no tempo, nem na eternidade, isto é, Deus.

Concluindo estas intensas atividades pais e filhos puderam comentar entre si as graças deste dia na refeição de confraternização, na qual todos os pais foram presenteados com uma singela lembrança gravada com a imagem do modelo dos pais: o glorioso São José!

___________________________

Não deixe de conferir as fotos deste dia na página: “Últimas atividades”

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *